Saturday, October 30, 2010

#396

(Dunley's personal archive)

Uma coleção de
pedras
janelas
e poentes;

o melhor amigo de um homem
em seu coração,
em suas mãos;

seu lugar secreto,
inesquecível,
compartilhado
como lembrança.

Senhor,
que aja sempre um sorriso
para ele

(e um sorriso pra mim,)

um bramido do céu,
uma canção do mar
e o eterno sonhar,
o eterno sonhar.



A collection of
stones,
sunsets
and windows

a man's best friend
on his heart
on his palms

his secret
'unforgettables'
shared
like stories

oh Lord,
let there be always a smile for him
(and a smile for me)
the roar of the sky and
the purr of the sea

let there be
let there be.


Wednesday, October 27, 2010

#395

(image by Jeff Masamori)


Há os olhos que olham
e os olhos que vêem.
(Quais são os seus?)



There are the eyes who look at things
and the eyes that see things.

(Which ones do you have?)



(Find other amazing poets on One Stop Poetry)

Friday, October 22, 2010

#394

(image by Marta Bevacqua)



O poema dos nossos medos
- sombras assustadoras
nas paredes de nossa infância
sobre a terra:

luz (!)
sobre nossas perguntas

- até ver nascer a resposta dos dias.


A poem about our fears
- frightening shadows
on the walls of our chilhood
on Earth:

light (!)
over our questions

- until we meet the answer of the days.



(To Gui)

Monday, October 18, 2010

#392

(image by Kenia Cris)

Porque eu precisava escrever algo,
qualquer coisa,
eu levei minhas canetas
e blocos de notas
até a Cafeteria mais próxima
e sentei-me lá
tomando café,
folheando um livro de arte
em busca de inspiração,
procurando as palavras
que eu não tenho,
as palavras que
os artistas nunca precisaram,
inventando estórias
para rostos cansados,
finais felizes
para corações partidos.


Because I needed to write
something
anything
I took my pens and pad
to the nearest café
and sat there
- sipping coffee,
flicking through an art book
for inspiration,
searching for the words
I don't have,
the words artists never needed,
making up stories
for weary faces,
happy endings
for broken hearts.


Thursday, October 14, 2010

:: Sendo Eleanor Rigby ::

(image by Liv)

Eu tentei isso várias vezes.

A coisa do diário.

Até perceber que a solidão dos dias se repetia numa frequência que eu não queria lembrar, numa frequência que eu não queria que ninguém conhecesse.

Todo mundo tem pena dos solitários.

Até os Beatles.

Veja a imagem que pintaram da Eleanor Rigby. Pobre mulher.

Vê? Vê o que estou fazendo? Estou me apiedando dela. Estou me apiedando da pobre mulher apesar da possibilidade de que ela tenha sido só um nome escolhido para um personagem fictício numa música.

Mas eu não acredito muito nessa hipótese. Não acredito porque ela tem o olhar de muitas pessoas que eu vejo na rua diariamente, o mesmo gosto para roupas, o mesmo corte de cabelo, o mesmo jeito de caminhar invisível sobre o planeta.

Eu seria Eleanor se não fizesse tanto barulho, se não risse alto.

Eu poderia ser uma locomotiva.

Não há nada de errado com elas, há? São feitas de pura força e ferro e cortam paisagens de pedra se precisarem.

As locomotivas é que são felizes. E estão sempre cercadas de pessoas.

Eu nunca quis ser Eleanor Rigby.

Mas vou enfrentar o meu destino seja qual for.

(Então, brindemos à solidão - porque é melhor não ter medo.)




Wednesday, October 13, 2010

#391

(image by Mario Cacic)

Às vezes
sinto que sou
só um homem de neve
num globo de vidro
perto demais da beirada da mesa.

Sometimes I feel
I am just a snowman
trapped in a glass globe
sitting too close to
the edge of the table.


(Originalmente publicado em O precipício no meio)
(Originally posted on O precipício no meio [The chasm in the middle])

Saturday, October 9, 2010

#390

(image by Beste Koseoglu )


Alguns vulcões
explodem em cinza
e lava quente.

Outros,
em ausência de palavras.


Some volcanoes
erupt
blasting ashes
along with hot lava.

Others
go speechless.

Wednesday, October 6, 2010

#389

(image by Zemotion)




Eterno
é o rio que corre através de nós,
é
devir,
efemeridade.

Everlasting is the river going through us,
it's becoming,
it's ephemerality.

(Answer to Gui)

Monday, October 4, 2010

#388

(image by Sasha Bell)


Eu não danço conforme a música:
Meu coração toca uma melodia diferente

- razão pela qual nunca me importei
por não ser a pequena bailarina
na caixinha de alguém.



I won't dance to the music:
my heart plays a different song

- reason why I never minded
not being a little ballerina
inside somebody's box.

Sunday, October 3, 2010