Sunday, May 16, 2010

#320

(image by nighty)
Vê,
o coração
vazio
revela a nascente
de um rio
que corre
vivo pelo meu rosto
e abre sulcos na minha pele.

See,
my empty heart
unveils
the fountainhead
of a river
that flows alive
all over my face,
opening furrows on my skin.

15 comments:

  1. Olá Kenia!
    Todos so dias sinto saudades de muitas coisas, até do que nunca vivi. Sabe o que alivia minha alma? Minhas lágrimas, elas brotam assim, como nascente de um rio, e quando caem no mar sinto-me mais leve...
    Bjs
    Mila

    ReplyDelete
  2. forte esse poema hein...
    revela a fragilidade do físico
    diante do metafísico.

    bonito bonito.

    ReplyDelete
  3. As águas desse rio, como de todos os outros, nunca são as mesmas. Passam. Lavam. Levam. Os sulcos? Irrigam, hidratam peles mais profundas.

    Um beijo, Kenia.

    ReplyDelete
  4. Até que esse rio transborde de alegria! Basta a paciência ao coração inquieto! Lindo, Kênia!

    Beijos

    ReplyDelete
  5. I do not like to imagine you so sad. ((()))

    ReplyDelete
  6. "Quem tem olhos pra ver o tempo soprando sulcos na pele, soprando sulcos na pele, soprando sulcos?

    O tempo andou riscando meu rosto
    com uma navalha fina
    sem raiva nem rancor

    O tempo riscou meu rosto
    com calma

    (eu parei de lutar contra o tempo
    ando exercendo instantes
    acho que ganhei presença)" (Viviane Mosé)

    Abrir sulcos na pele lembrou-me desse poema, lindo, da Viviane Mosé. O tempo e o coração vazio irrigam, irrigam...

    Bisous!

    ReplyDelete
  7. mas o tempo é como um rio que caminha para o mar, passa como passa o passarinho, passa o tempo e o desespero, passa como passa a agonia, passa a noite passa o dia, mesmo o dia derradeiro.
    (o tempo e o rio, interpretação da Maria Bethânia)

    obrigado Kênia, obrigado por nos iluminar com vossa poesia

    ReplyDelete
  8. Olho d'água e um coração afluente que é veio de rio que desemboca no mar - Ah! Mar...

    abraço e boa semana

    ReplyDelete
  9. Your poetry is so full of emotion that it makes me want to try and reverberate one of my own so here goes;
    Little by little
    The emotions of truth echo aloud,
    With quiet whispers
    And everlasting song,
    What was once hallowed
    Can be forever shadow.

    ReplyDelete
  10. Hard to interpret this. You say your heart is empty, but all I can see is all that rich blood coursing through your beautiful veins.

    ReplyDelete
  11. Que esses sulcos sejam, por fim, apagados por forças balsâmicas!

    Um abraço,

    Samuel Pimenta.

    ReplyDelete
  12. Querida Kenia.
    Como toda água que passa:
    lava e purifica a alma, os pensamentos, as ideias e os tormentos. Aumenta o apuro dos sentimentos, mas que faz parte de todos os momentos. E como toda água que passa, corre sempre para o mar e por lá despeja tudo. É onde tudo há de ficar como depósito das lágrimas do mundo. Eis que tão salagado é pois o mar.
    Vês como vossa poesia me inspira? Escrevi isso somente para ti.
    Mais um belíssimo poema.
    Até mais!

    ReplyDelete
  13. Mila, chorar remove muito das angústias que trazemos no peito. Bom seria que não conseguíssemos outras para substituir essas. Beijo grande. =*

    Ryan, obrigada pela visita e gentileza do comentário. Volte mais vezes. Bjo. =)

    Marco, muito bem dito. =) Certamente pensei na irrigação por sulcos depois de escrever o poema. Chorar não pode fazer tanto mal, não é mesmo!? Obrigada pela doçura do comentário. Bjo! =*

    Pablo, é a mais pura verdade, basta paciência até que venha a estação das cheias. Há dias em que eu sei que posso esperar, mas às vezes me sinto tão cansada. Obrigada pelas palavras. Bjo!

    Missy, sadness is just a passing state of mind. I'm not sad all the time, but sometimes I feel so tired, so helpless, so sad. Thanks for coming to read me dear. =*

    Erick, o poema é mesmo lindo! Não o conhecia. Por isso é sempre bom nos cercarmos de pessoas cultas e inteligentes, vê?! =) Que a irrigação aconteça e um sorriso sincero floresça. Será?! Beijo carinhoso. =*

    Talles, você é uma fofura, e é você que me ilumina com esses comentários. Beijo grande!

    Mai, esse comentário em si já é um poema, lindo. Obrigada por manter o diálogo fluindo. Beijo querida!

    Andrew, I don't imagine myself as an inspiring person but it's true I write with emotion. I am my thoughts. Your poem is as sweet as your eyes and you know they say eyes are the mirrors of the soul, don't you? I assume you're sweet as well. Thank you so much for stopping by and leaving such a nice comment (and poem) here. Kiss your cheeks. =*

    Marty, that was very kind of you to say that. I don't know if it's a common way to refer to poets there, but here, we often say poets are pretenders. It's really difficult to tell if one pretends while writing or while living. Kiss you. =*

    Sammy, obrigada SEMPRE pela sua visita linda, meu Deus, eu sei como você é ocupado, me alegra demais a sua visita, isso mostra quem você é. Beijo sempre carinhoso. =*

    Fouad, como a sua presença, que é sempre marcante. Beijo-te com doçura.

    João, como posso não ficar encantada com esses seus comentários? Como disse ao Andrew logo acima, não me imagino uma pessoa inspiradora, mas muito me alegra que você escreva algo inspirado pelas minhas linhas tortas, já que tudo o que você escreve é muito belo. Obrigada pelo carinho, sempre. Beijo-te!

    ReplyDelete
  14. eu deixei aqui um comentário...cadê ele? não ficou?
    beijo

    ReplyDelete

Deixe suas linhas tortas │Leave your crooked lines│